Lições de um peregrino 3 anos após caminhar pelos 800 Km do Caminho de Santiago de Compostela.

Como a greve dos bancos acelerou o fechamento de milhares de agências bancárias….
5 de dezembro de 2016
Redes sociais e a Grafitada de João Dória em cima da mídia tradicional.
17 de fevereiro de 2017

Que me perdoem aqueles que fazem o Caminho de Santiago e antes mesmo de embarcar já estão dando conselhos disto ou daquilo, lições empresariais e falando sobre como o Caminho mudou as suas vidas.

Sou da opinião de que é estranho a pessoa mal chegar do Caminho de Santiago e sair por aí palestrando sobre como isso mudou a sua carreira e sua forma de pensar.

É preciso tempo para digerir tudo isso e mais, tempo para entender os reais efeitos do Caminho na sua vida, e na sua história. Por isso, combinei comigo mesmo que ficaria em silêncio por 3 anos, até que de fato tivesse condições para falar dos impactos reais na minha vida.

Vamos lá então, para quem não conhece ou não possui muitas informações, o Caminho de Santiago de Compostela é uma antiga rota de peregrinação com mais de 1.000 anos de história, sendo feito no início apenas por cristãos e posteriormente, por pessoas de quaisquer credos, inclusive esportistas interessados no desafio, já que o Caminho mais “famoso” possui cerca de 800 Km.

O início se da na França num vilarejo chamado Saint-Jean-De-Pied-de-Port onde você já no primeiro dia caminhará por 27 km cruzando a fronteira com a Espanha através dos pirineus. Todo o restante do caminho se passa na Espanha, cruzando-a de ponta a ponta.

O ano era 2013 e as coisas não estavam indo tão bem, minha consultoria estava demorando a deslanchar, não estávamos conseguindo ter um filho (foram 3 abortos), meu cachorro havia morrido e para piorar perdi uma pessoa muito importante na família.

Decidi então que precisava viajar uns dias para pensar um pouco, algo de uma semana que me tirasse daquele turbilhão. Ocorre que, não lembro como, acabei clicando em um texto sobre o Caminho de Santiago. Aquilo me sacudiu, foi um impacto enorme e no mesmo dia comecei a pesquisar matérias, vídeos, dicas, etc (como alguns dizem neste momento o Caminho de Santiago me pegou).

Só tinha um problema, estávamos quase em agosto e não é recomendado começar o caminho depois de outubro devido as condições climáticas, então num ato de loucura total comprei as passagens e comecei a pesquisar mais e a me preparar física e mentalmente para o que vinha pela frente.

Para começar, assisti um filme imperdível até para quem não vai fazer o caminho (THE WAY – Martin Sheen, Trailer https://www.youtube.com/watch?v=ozcd8RphkQk) e depois achei vários vídeos no youtube de outros peregrinos, todos ricos em informações sobre o que levar e como tudo funciona, já que o tempo não corria a meu favor.

Mas vamos ao que me propus a entregar neste artigo, ou seja, o que realmente aprendemos e o que de fato pode mudar quando se faz, como um verdadeiro peregrino, o Caminho de Santiago.

-Persistência e determinação: se você decidir fazer todo o caminho (Caminho Francês 800 KM) e não for um triatleta, você irá sentir bastante dificuldade no início, aliás o melhor conselho que me deram foi não desistir nos 5 primeiros dias pois eu teria muitas dores e acharia impossível continuar.

Dito e feito, já no segundo dia eu não conseguia andar mais e após caminhar por 1 quilômetro (dos mais de 20 que teria que fazer) eu sentei e achei que para mim aquilo tudo tinha acabado.

Após algum tempo decidi levantar e caminhar por mais 1 quilômetro, e assim foi por todo o dia até que cheguei ao anoitecer na próxima cidade e não acreditei. Após o décimo dia as coisas começam a ficar diferentes e seu corpo se adapta.

Então, não desista, siga em frente, persista e aprenda a se adaptar a sua nova realidade. Quando cheguei lá tinha em mente que acabaria o caminho, mas ao longo dele eu passei a ter uma certeza absoluta de que seria capaz do impossível para completar, e em nenhum momento passou pela minha cabeça desistir, nem quando no final de alguns dias minhas meias eram puro sangue.

-Resiliência: Aqui você passará por uma aula prática sobre resiliência. Conversei com várias pessoas ao longo do caminho e todas também passaram em algum momento por fome, sede, frio, calor, dor, e em algum ponto choraram, e em outros estava tudo perfeito, e assim mesmo você tem de levantar todo dia e caminhar.

Tive mais de 20 bolhas, perdi 3 unhas e uma boa parte da pele lateral de um dos pés, e mesmo assim acordava, tomava café e estava ali pronto para o desafio diário de chegar a próxima cidade, e outra e mais outra….

-Comunicação: Provavelmente você irá melhorar as suas habilidades de comunicação (se você se permitir) já que diariamente irá conversar com diversas pessoas de vários países diferentes (Espanha, Itália, Coréia do Sul, Argentina, Alemanha, França, Inglaterra, EUA, Holanda, etc).

É a velha máxima, quem não se comunica, se trumbica, então, comunique-se, relacione-se e crie laços, só assim evoluímos, só assim trocamos vivências e crescemos.

Conversei com pessoas de vários países e cada uma com os mais diversos problemas de vida, e isso acaba te dando um choque de realidade e de perspectiva, você começa a separar os níveis onde cada tipo de problema está, dos mais simples aos mais complexos.

-Desapego: Mesmo levando pouca coisa na mochila, nos 3 primeiros dias acabei deixando muitos objetos para trás já que para andar por tantos quilômetros durante 30 dias qualquer peso a mais fazia diferença, e você acaba se adaptando a ter somente aquilo que realmente precisa.

Após 3 anos posso afirmar que até hoje essa jornada influência meus hábitos do dia a dia (OBS: os albergues do caminho costumam ter uma caixa onde você pode deixar e pegar objetos livremente).

Então, desapegue e seja generoso em todos os sentidos, se doe por inteiro a experiência e aprenda que o essencial não é ter mas, sim SER.

Agora se você se animou, algumas dicas:

1 – Procure alguma associação ou grupo de pessoas especializado no Caminho de Santiago, existem diversos na internet e é fácil achar.

Eu já sai daqui com meu passaporte para o Caminho graças ao grupo Amigos do Caminho AACS (http://www.caminhodesantiago.org.br/Index.html) do Rio de Janeiro que realiza encontros nas primeiras sextas-feiras de cada mês na Casa d’Espanha, são pessoas incríveis que se dedicam a ajudar todos aqueles que precisam de informações e dicas.

2 – Leve só aquilo que precisar (assista vídeos e leia sobre o assunto). Você encontrará com facilidade algo que precisar lá já que diversas vezes passamos por cidades médias e grandes.

3 – Exercite-se um pouco antes de ir. Como decidi muito em cima acabei não treinando e sofri muito, sendo assim, exercite-se alguns meses antes, de preferência com calçado e equipamentos que for levar também, assim você vai se habituando.

4 – Caso esteja se programando com muita antecedência, estude inglês e espanhol. Sabendo o básico destes 2 idiomas você será capaz de se comunicar com a maioria dos outros peregrinos, e isto deixará a sua experiência muito mais rica.

5 – Desconecte-se um pouco de todo o mundo (internet) e conecte-se com todos ao seu redor. Minha dica nesse assunto é, ao chegar no albergue, fale com sua esposa, família, filhos ou quem precisar, peça para receber um resumo das noticias importantes e só, aproveite o restante do tempo para conversar, visitar locais interessantes, interagir com tudo que está acontecendo ONDE VOCÊ ESTÁ.

6 – Não se preocupe em como se comportar no caminho, ou seja, se você quiser perguntar porque as outras pessoas estão fazendo essa jornada ou quiser falar sobre sua vida, OK. O caminho tem uma dinâmica própria e como num passe de mágica você estará caminhando, interagindo e após os primeiros dias já estará muito mais tranquilo.

Segue um pequeno vídeo de 5 minutos…..

BUEN CAMINO!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *